terça-feira, 22 de março de 2011

Dia difícil

Clara está gripadinha (e eu também) e amanheceu bem caidinha hoje. Resolvi que não iria trabalhar pra ficar com ela. Apesar de ter sido ótimo ter feito isso, estou simplesmente exausta. Clara descobriu esses dias que as gavetas e portas dos armários estão repletos de coisas interessantes para mexer e que elas podem ser abertas facilmente! Gente, com que gana a pequena está disposta a explorar esse novo mundo! É um furacãozinho solto dentro de casa, e tem várias coisas que ela não pode mexer. Outra coisa que ela descobriu hoje é que pode arrastar umas cadeiras que colocamos para tapar algumas tomadas da sala que ficam expostas, onde fica ligada a TV e cia, e que não conseguimos esconder. Até hoje as cadeiras funcionaram super bem. Hoje eu estava no quarto e ouvi que a TV foi desligada. Fui olhar e fiquei de cabelo em pé, ela com o plug da TV na mão, tentando colocar de volta. É, seu sei que é um perigo. Corri, tirei ela de lá, conversei.
Ela passou todos os minutos do dia alternando entre correr para os quartos para fuçar nas gavetas, tentando arrastar as cadeiras pra mexer nas tomadas e puxando as gatas pelo rabo e pisando nelas. Isso tudo numa postura de desafio, nem aí para as minhas broncas, dando risinhos nervosos quando eu perdia a paciencia. Além disso ela quase não almoçou nem jantou, mas por sorte tomou sucos e comeu frutas. E somado a tudo isso também estou gripada e com dor de cabeça e marido está viajando, ou seja, não tinha ninguém para me render ao final do dia. A coisa foi tão braba que saí com a Clara no final do dia pra ir a padaria e quando cheguei no comércio percebi que saí sem bolsa, dinheiro, cartão, tive que voltar pra casa sem nada (risos).
Estou atrás de dicas de como lidar com essa teimosia ferrenha numa criança tão pequena que acho que ainda não entende grandes conversas. Já tentei desviar o alvo, chamar a atenção pra outra coisa, dar bronca, explicar, conversar. Até achei uma graça ontem quando eu fiquei muito brava porque ela estava pisando de propósito na minha gatinha deficiente, peguei a Clara e coloquei no sofá e comecei a conversar. Ela ficou me olhando com uma carinha engraçada e desviava o olhar. Eu dizia: olha pra mamãe, e ela olhava, parecia que estava entendendo tudo. Mas se entende como fazer pra ela obedecer?

6 comentários:

Dayane Cavalcante disse...

Nossa Kelly, imagino como vc está exausta, mas confesso que dei algumas risadas com as peripécias da Clara!!Rss!!
Acho que não tem muito o que fazer não viu...Acho que você está no caminho certo, tentando conversar explicar, ao mesmo tempo que ela entende ela tbm não tem consciência plena do que é certo ou errado, então acho que o jeito é continuar tentando explicar, conversar, e continuar correndo atrás dela pela casa...Rs!!
Bjos!!

Milena disse...

Kelly, já me vi em situações parecidas. O que mais me angustiava era não saber se estava fazendo o certo, se estava sendo muito mole ou muito dura com a Mariana. Então li (por sugestão de uma psicóloga) dois livros que me deixaram mais tranquila: Limites sem trauma (Tania Zagury) e Eduque com carinho (Lidia Weber). Eles não trazem nenhuma super novidade, mas ajudam a entender por que as coisas são como são, por que as crianças (aparentemente) desafiam, por que repetem tanto os mesmos atos... essas coisas que nos encantam quando não estamos exaustas! Se te interessar, dê uma procurada por aí. Continuo com dúvidas diárias, mas me senti um pouco mais amparada depois da leitura. beijos pra você e para a Clara. Se visitar a Uli, dá um beijinho no pezinho do Arturo por mim!

Lia disse...

Eu estou com um problema sério pra repreender Emília: eu começo a rir. Ela agora descobriu que a coisa mais legal do mundo é abrir e fechar as portas dos armários, mas com toda a força, fazendo um barulho dos infernos. E se deixar ela brinca disso por horas. Aí eu vou lá falar que não pode e sabe o que ela faz? Me olha com a maior cara lavada, coloca o dedinho em riste e fica balançando, fazendo sinal de "não". Aí eu não consigo me controlar e caio na gargalhada. Eis uma mãe desmoralizada.
P.S.: Eu sei que é um perigo, mas estou eu aqui rindo só de imaginar a Clara tentando colocar o plugue de volta na tomada...

Nine disse...

Ai guria, esse negócio de tomada nunca me deu muita dor de cabeça. Desde a primeira vez que a Ísis tentou chegar perto de uma já lhe disse um sonoro não e desde então ela não vai (mas qdo tem uma recaída falo o não de autoridade (?) e tiro de lá e ainda acrescento que faz dodói, que é um conceito que ela já entende), mas esse mexe mexe nunca para, qdo não é uma coisa é outra, hahaha
Beijos,
Nine

Fabiana disse...

Nossa, amiga, por aqui estamos na mesma. estou exausta resultado das noites mal dormidas da Laura pela dor de ouvido. Pior que estou com dor de ouvido tb. Incrível!!! E Laura graças a Deus tem tb essa energia e quer mexer em tudo. Hoje foi a vez de puchar a cortina do quarto. e o medo daquele treco cai na cabeça dela???? Falei não e ela? Me imita. Eu sigo firme. Até tenho vontade de rir mas me seguro.
e paciência amiga. Muita, muita paciência pq ess fase eles não entendem muito esse bla-bla-bla de disciplina. É só orientar mesmo e ficar de olho.

Boa sorte e melhoras pra vcs.

Tathyana disse...

Como assim? Ela é um anjinho...tem a carinha mais fofa desse mundo. Bjsss