quinta-feira, 28 de agosto de 2014

Paris - Parte 3 - Vincennes e Parc Floral

No quarto dia em Paris fomos conhecer o Castelo de Vincennes e o Parc Floral. Pegamos a linha 1 do metrô e fomos até Vincennes. Lá visitamos o castelo e a igreja, depois almoçamos no restaurante Le Drapeau, bem em frente, comida boa e barata, e caminhamos até o Parc Floral.

O Parc é bem perto do castelo, mas toda a parte de brinquedos fica do outro lado do parque, que é grande, então dá uma boa caminhada até lá. O parque é muito bonito, todo florido e bem cuidado. O tempo não estava muito bom, ameaçando chover, e por isso fomos andando rapido até o final do parque, que estava super vazio. Quando chegamos à parte dos parquinhos havia algumas turmas escolares por lá, mas já se preparando pra ir embora. 

Os brinquedos são super legais, tem para todas as idades. Clara enlouqueceu quando chegamos, mas logo em seguida desabou uma forte chuva. Ficamos abrigados em um toldo ao lado dos brinquedos por um bom tempo, esperando a chuva passar. Quando finalmente passou os brinquedos estavam muito molhados. Ela ainda conseguiu brincar um pouco mas já estava tarde e precisávamos ir embora. O pior era ter que caminhar toda a extensão do Parc Floral de volta, atravessar o Castelo de Vincennes para chegar ao metrô. 

No final das contas este foi um passeio meio frustrante porque nos deslocamos para muito longe, o tempo não colaborou e acabamos não aproveitando. Não achei que valeu a pena, acho que poderíamos ter ido a outros lugares mais interessantes. O castelo de Vincennes é bonito e bem conservado, mas eu achei um pouco sem graça e por ser longe acabou comprometendo todo o dia. 

Quanto ao Parc Floral, demos azar com a chuva, mas achamos muito bonito e a parte dos parquinhos é fantástica, o único porém é a distancia mesmo. Acho que se sair bem cedo para aproveitar o parque pela manhã, com tempo bom, vale muito a pena, pois o espaço é muito agradável e os brinquedos são otimos. 

Links:
http://www.chateau-vincennes.fr/index.php
http://www.conexaoparis.com.br/2010/01/27/castelo-de-vincennes/


Chateau de Vincennes


Professora contando história para os alunos dentro do castelo

No castelo, observando a chegada da chuva









sexta-feira, 22 de agosto de 2014

Paris - Parte 2 - Louvre

No terceiro dia em Paris fomos ao Museu Louvre. Havíamos comprado os ingressos pela internet e passamos na FNAC para troca-los, foi tudo tranquilo. Fomos caminhando até o Louvre e quando chegamos havia uma fila grande pra entrar, mas quando nos viram com o carrinho da Clara nos mandaram passar na frente e entramos rapidamente pela entrada principal, na Piramide.
Começamos a visita aleatoriamente pela Ala Sully, passamos pela História do Louvre, com os resquícios do Louvre medieval e depois chegamos às antiguidades egípcias, a parte que passamos mais tempo. Conseguimos visitar boa parte desta Ala e depois passamos para a Ala Denon, onde vimos as Pinturas Italianas e algumas Espanholas.
Clara se divertiu bastante, se interessou por muita coisa e curtiu por um bom tempo, principalmente a parte do Egito, mas depois de algumas horas de museu ela se cansou e começou a reclamar. Já havia passado muito a hora do almoço, então decidimos sair pra comer alguma coisa. Descemos procurando o café do Carrousel du Louvre, dentro do próprio museu, mas como não encontramos de imediato, saímos pra procurar um restaurante. Foi uma grande besteira termos feito isso, pois já estava tarde e não encontramos muitas opções, acabamos andando mais que o esperado, choveu, foi um transtorno. Nisso entramos num restaurante e passamos um tempo lá almoçando e também esperando a chuva passar. Quando voltamos já era por volta das 4, e o museu fecharia as 5:30. Clara não queria continuar a visita então decidimos ir embora. O pior é que descobri que o café era bem perto de onde passamos, e que poderíamos ter aproveitado mais um bom tempo se não tivéssemos saído pra almoçar, fiquei um pouco chateada, mas no final das contas achei que conseguimos fazer muita coisa com uma criança de 4 anos, o saldo foi super positivo!
Depois saímos caminhando pela cidade, passamos pelo Pompidou mas não entramos, e voltamos a pé pra casa. No caminho passamos pelo Hotel de Ville, onde Clara pode se esbaldar com seu segundo carrossel de Paris. Em todos os carrosséis nós comprávamos 10 euros de tickets, em média eram 6 voltas, mas alguns eram 4 e outros 8, e lá ficávamos nós esperando a pequena rodar e rodar sem parar.
Neste dia Papai fez o jantar no apartamento e ficou muito bom!















Carrossel Hotel de Ville

terça-feira, 19 de agosto de 2014

Paris! Ah, Paris!!! Parte 1

Apesar de ter sido a primeira parte da nossa viagem para a França, acabei deixando os relatos de Paris por ultimo, porque acho que é mais difícil de escrever, são muitos dias e muitos passeios a relatar, mas vou tentar resumir e organizar as informações.

Chegamos a Paris depois de um tranquilo voo direto noturno vindo de Brasília e ficamos 8 dias. Depois que voltamos do sul da França ficamos mais 2 dias e meio. Como contei neste post, em Paris nos hospedamos em 2 apartamentos alugados pelo AirBnb, e gostamos bastante dessa opção, pois tínhamos uma cozinha a nossa disposição e eram muito bem localizados.

Logo na chegada, no aeroporto, compramos um chip de celular que foi super útil durante toda a viagem, principalmente para entrar em contato com os proprietários dos apartamentos alugados. Já no primeiro dia encontramos meu irmão, que ficou conosco boa parte da viagem. Como já chegamos a tarde no apartamento, ficamos descansando e depois só saímos para jantar por perto, numa ótima rua cheia de restaurantes, a Rue de la Harpe. Depois caminhamos até a Notre Dame, que era bem perto do apartamento, e voltamos para descansar.

No segundo dia fomos de metrô até o Arco do Triumfo e depois saímos caminhando pela Champs Elyseés até o Jardim de Tuileries. Pegamos algumas chuvas fortes que por sorte foram passageiras. Clara aproveitou seu primeiro parquinho e carrossel francês, no Jardim de Tuileries e amou. Depois ainda caminhamos até o Louvre. Era domingo e foi um ótimo dia de ambientação com a cidade.

Dia seguinte foi de visita ao Louvre...

Chuvas por sorte passageiras

Um sorvetinho no Jardim de Tuileries

O primeiro carrossel de Paris - Tuileries

Parquinho excelente do Jardim de Tuileries



quinta-feira, 7 de agosto de 2014

Criando jogos

Clara tem trazido muitos desenhos e criações da escola, todos os dias ela trás coisas: tem escudo feito de papel com alça que é um palito de picolé colado na parte de trás, fantoches com palitos de picolé e rostos desenhados em papel, notebooks desenhados numa folha dobrada e celulares, dentre outras coisas. Hoje ela se superou, trouxe um computador e me explicou que tinha 3 jogos nele: um de Mundo de Mia (alguém conhece esse desenho? Passa no Gloob e é bem legal), onde a gente teria que segurar as cobras pra evitar que elas peguem os unicórnios; um de Patrulha Canina, a gente tinha que esperar para ver qual seria a missão do dia e fazer o que aparecesse; e por último um jogo do Frozen, onde a gente teria que evitar que a Ana fosse congelada. Aí ela começou a "apertar" as teclas desenhadas e fazer barulhos dos jogos. Achei muito interessante como ela conseguiu imaginar tudo isso, que figura!

quarta-feira, 30 de julho de 2014

França - Pont du Gard e Uzès

No nosso ultimo dia na Provence, fomos visitar a Pont du Gard (25 km de Avignon), uma ponte-aqueduto construída pelos romanos no Século I. A ponte, que é um Patrimonio Mundial da Unesco, tem 3 andares de arcos e 49 metros de altura. É um monumento realmente impressionante! A paisagem também é muito bonita, e o local conta com uma boa estrutura para visitação, com lojinhas, restaurantes, banheiros amplos e um grande estacionamento.
Nossa visita não foi demorada, atravessamos a ponte, fomos até o rio, tiramos muitas fotos, ficamos admirando a paisagem. Depois subimos até o terceiro nível (a passagem por cima é fechada), passamos por um túnel e fizemos uma trilha que levava a um mirante. Não chegamos até o mirante pois Clara se cansou e decidimos voltar. 

Para maiores informações sobre a Pont du Gard acesse o site http://www.pontdugard.fr/en





Não chegamos até o mirante mas conseguimos uma boa vista da ponte

´Túnel por onde passava a água 



Saímos de lá e fomos almoçar em Uzès, uma pequena cidade a 14 km de Pont du Gard. Paramos o carro e saímos andando a esmo, pois não sabíamos o que havia na cidade pra visitar. Não havia absolutamente ninguém nas ruas e por sorte chegamos à Place aux Herbes, uma deliciosa praça cheia de árvores e restaurantes. Ali havia muita gente nas mesas dos restaurantes espalhadas por vários pontos da praça. Algumas crianças brincavam ao redor da fonte e Clara também foi brincar. Tivemos um almoço muito agradável nessa simpática cidadezinha. Depois passamos para ver o castelo Le Duché d'Uzes, mas não entramos pois estávamos com pressa e a entrada era muito cara. 

Uzès


Place aux Herbes


Prato bem gostoso no Cafe de l'Oustal

Le Duché d'Uzes

A cidade vazia



No dia seguinte pegamos o trem TGV Avignon - Paris. Até a próxima, linda Provence!!!


domingo, 27 de julho de 2014

França - Les Baux-de-Provence

Domingo, dia de espetáculos em Les Baux-de-Provence (sábado também tem) e seguimos direto pra lá (sem café da manhã, pois não encontramos nada aberto em Avignon!). Subimos de carro até o portal de entrada do vilarejo, onde encontramos um estacionamento pago, por 5 euros o carro ficou o dia todo, valeu muito a pena.

A paisagem ao redor de Les Baux é linda, o relevo é acidentado, com muitas rochas expostas. A entrada é um portal para a idade média, para as ruazinhas estreitas e as construções antigas, integradas ao ambiente rochoso. O vilarejo é cheio de lojinhas, restaurantes e algumas pousadas, é praticamente todo voltado para o turismo, poucas pessoas moram de fato ali, nos disseram que menos de 500! É tudo muito charmoso, adoramos caminhar por aquelas ruas!

No ponto mais alto do vilarejo está o Chateau des Baux de Provence. Para entrar havia uma pequena fila, mas nada demais. Pagamos 10 euros cada adulto para entrar (Clara não pagou), esse valor inclui a visita às ruínas do castelo, com áudio-guia, e as apresentações. Aqui uma observação: o ingresso não dá direito de sair e retornar, e depois que entramos percebemos que fizemos uma grande besteira, pois já era hora do almoço e apesar de termos tomado café da manhã assim que chegamos, não levamos nenhum lanche nem pra Clara, e havia muito o que ver, então demoraria para terminar a visita. Não havia lanchonete nem nada para comer a venda dentro do Chateau, somente alguns pontos de venda de bebidas. Nós nem chegamos a levar o carrinho, Clara seguiu a pé, alternando um pouco de colo.

Havia um folheto com os horários das apresentações, que consistiam em lutas de espadas e uso das catapultas. Os atores, devidamente vestidos como personagens medievais, ficavam o tempo todo circulando tanto dentro do Chateau quanto pelas ruas do vilarejo.

Começamos a visita, seguindo o áudio-guia. O castelo fica bem num platô na parte mais alta e consequentemente possibilita uma visão muito ampla de toda a região. Deve ter sido um castelo realmente grandioso, as paredes são muito altas! Achamos bem interessante que, além do áudio-guia, existem croquis de como eram as partes do castelo, nos ajudando a visualizar como deve ter sido fantástico no passado.

Logo que chegamos à parte das ruínas vimos que as pessoas começavam a se concentrar nas arquibancadas para assistir à luta de espadas, então nos dirigimos pra lá e ficamos também esperando. Logo os atores chegaram e começou o teatro, que é baseado na história real de Les Baux. Na verdade eram somente 3 atores, e eles representavam uma situação de conflito entre um nobre cavaleiro da região e seu escudeiro e um invasor de outra região. Antes de começar eles solicitam a participação de algumas pessoas da platéia, umas 3 ou 4. Um rapaz e 3 crianças se apresentaram e fizeram parte do início da história. O grande problema deste início, na apresentação do contexto da história, é que obviamente eles falam francês e para quem não entende acaba ficando meio cansativo, mas não é muito demorado e não chega a ser chato. Em um momento um dos personagens sai correndo e vai para o ponto mais alto do castelo para fazer a guarda. De repente ele grita lá de cima que estão sendo atacados e depois disso começam de fato as lutas de espada. A apresentação não é nada muito elaborada, é bem simples, mas divertida. A 

O fato de não estar entendendo muita coisa e o sol forte de meio-dia deixaram Clara um pouco impaciente e pensei que não conseguiríamos assistir até o final, mas logo que começou a luta de fato a coisa ficou mais animada e ela ficou bem impressionada. Tive que repetir algumas vezes que tudo aquilo era uma encenação, que nada era de verdade. Achei bem engraçado que ela ficou encantada pelo ator que fazia o escudeiro e depois foi me perguntar qual era meu cavaleiro favorito, pois o dela era aquele que tinha cabelo igual de menina. Depois quando nós o víamos pelas ruas ela falava: olha o meu favoritinho. Hehehe.

Na saída da apresentação vimos um stand para atirar flechas. Cada pessoa tem direito a 2 tentativas. Um “cavaleiro” fica ensinando como se faz e dando dicas. Se não me engano crianças a partir de 6 anos já podem atirar. O rapaz fala bem inglês e é muito solícito. Jorge e eu atiramos e, modéstia a parte, eu arrasei, pois acertei a primeira flecha bem no centro do alvo, até o rapaz ficou impressionado (kkkkkkk).

Depois visitamos boa parte do castelo e fomos assistir a apresentação das catapultas, que contaram com a participação de voluntários e foi bastante divertido. A catapulta menor foi operada por várias mulheres e a grande por homens, tudo coordenado pelos mesmos atores.

A essa altura já passava das 3 da tarde e nós sem almoço e sem nada pra comer, então apesar de ainda ter mais coisas pra ver, encerramos nossa visita ao Chateau. Como sempre acabo me esquecendo de anotar dicas de restaurantes, saímos sem saber onde comer, diante de tantas opções, e pra variar fizemos uma péssima escolha. Acho que foi a pior comida de toda a viagem, só não foi pior porque o menu tinha um crepe razoável de sobremesa. Depois demos mais umas voltas pelo vilarejo, saímos por volta das 5. O plano inicial era visitar outros locais, mas passamos o dia todo em Les Baux-de-Provence, curtimos demais esse lugar. Infelizmente não tivemos tempo sequer de visitar o famoso Carrières de Lumières, vai ter que ficar pra uma próxima oportunidade. Bem próximo dali também estão as ruínas romanas de Glanum, nós chegamos a dar uma parada, mas estava tarde e o tempo também ficou ruim de repente.

Neste dia jantamos muito bem no Restaurant L'Epicerie, em Avignon, comida muito gostosa e local super agradável. 

Para saber mais: 
http://www.lesbauxdeprovence.com/en

Ruas do vilarejo

Uma das lojinhas


Atores nas ruas da cidade



Chateau:
Entrada do Chateau

Loja do Chateau


Apresentação - o favorito da Clara é o da direita

Os voluntários

"Estamos sendo atacados!"




Explorando o castelo



Vista do vilarejo a partir da torre do castelo

No alto da torre

Local da apresentação da luta de espadas e de tiro de flechas


Catapulta

Do alto da torre se tem uma vista completa da região

Atirando!


Entrada de Glanum, ruínas romanas