domingo, 24 de maio de 2015

Viagem para o Caribe - Sint Maarten/Saint Martin

Há algum tempo pensávamos em fazer uma viagem tranquila, para algum local com praias paradisíacas, e o Caribe obviamente passou a fazer parte dos nossos planos. Diante das muitas opções interessantes, escolhemos Sint Maarten/Saint Martin. 
A primeira coisa que fizemos foi comprar as passagens. Voamos pela Copa, com conexão relâmpago no Panamá.  Confesso que fiquei tensa se daria tempo, pois a conexão na ida era de apenas 50 minutos e na volta de 1 hora e pouco, mas deu tudo certo.
Foi nossa primeira experiência na Copa e achamos razoável. O serviço foi ok e a comida meio fraca, tinha muitas opções de bebidas, incluindo alcóolicas. No trecho Brasília-Panamá havia telas individuais, o que é uma grande ajuda principalmente para quem está com crianças, e no trecho Panamá-St Maarten não havia. 
Para quem não sabe, Sint Maarten é a parte holandesa da ilha e Sint Martin a parte francesa. Nós decidimos ficar alguns dias na parte holandesa e depois outros dias na parte francesa. A ilha é pequena e dá para ir de um extremo ao outro de carro facilmente, a escolha de nos hospedarmos dos dois lados foi por pura curiosidade mesmo.
Nas nossas pesquisas prévias nos interessamos em conhecer também Saint Barthelemy (St. Barth) e Anguilla. Então nosso roteiro ficou assim: 6 dias em St Maarten, 2 dias em St Barth e depois mais 5 dias em St Martin. Em um desses dias fizemos um bate e volta para Anguilla.

1ª Parte - Sint Maarten

Hotel: Simpson Bay Resort & Marina, reserva feita pelo Booking.

Chegamos ao aeroporto, aquele em que o avião quase pousa na praia, bastante atrasados em função de um problema, que nos deixou mais de 1 hora no Panamá aguardando o conserto passando calor dentro do avião. Saímos da área de desembarque e fomos direto pegar o carro reservado. As locadoras de lá tem um sistema de transfer que leva todo mundo aos seus escritórios e depósitos, onde ficam os carros. Alugamos pela Avis e esse processo demorou um pouco, pois havia muita gente. Só conseguimos ir na segunda van e lá chegando foi uma espera considerável. Isso tudo nós sem almoço em função do atraso do voo, então rolou um pouco de mau humor geral, mas nada demais.  Havíamos pedido GPS, e conseguimos um bem ruinzinho, vi que tem poucos e quase ninguém usa. Saímos com nosso carro e com a ajuda dos mapas que pegamos no aeroporto (e ao estudo prévio da região que o marido fez) fomos direto para o hotel.
Ao chegarmos o check in foi tranquilo. O hotel é bem grande, nos deram um mapa de onde ficava nosso quarto, alguma explicações e lá fomos nós. Esperávamos um quarto de hotel normal, nem me lembrava dos detalhes da reserva, e quando chegamos foi uma grata surpresa: nosso quarto era na verdade um excelente apartamento com sala, varanda, uma ótima cozinha completa e um quarto com uma cama enorme. Nos apaixonamos por esse lugar e isso prejudicou um pouco a avaliação dos outros lugares que ficamos. O hotel fica na praia de Simpson Bay, tem uma boa estrutura, com várias piscinas, que usamos muito pouco pois passávamos o dia nas diversas praias da ilha e voltávamos no final do dia, só aproveitando para dar um mergulho na piscina. Mas aproveitamos muito nosso apartamento com nossa deliciosa varanda. Ainda por cima, gateiros que somos, encontramos logo no primeiro dia uma gatinha super fofa, e ela todos os dias nos visitava na varanda. Compramos ração pra ela e fizemos muito carinho. Foi a cereja do bolo da nossa estadia.

O primeiro dia não deu pra fazer muita coisa além disso, chegamos ao hotel no meio da tarde, nos instalamos e voltamos ao bloco principal do hotel, que fica em frente ao mar, para curtir a piscina e dar uma olhada em tudo. Também passamos no supermercado para comprar suprimentos (e ração) e jantamos perto do hotel, no bar e restaurante Greenhouse, curtindo um happy hour com bebidas em dobro e um por do sol maravilhoso. Nossa viagem começou muito bem!


Nosso apartamento

Com direito a varanda...

e cozinha completa!
Área onde ficamos hospedados

Piscina bem em frente ao mar

Parquinho do hotel

Primeiro por-do-sol na ilha


No próximo post falo sobre as praias que visitamos. 

quinta-feira, 14 de maio de 2015

Vamos nos mudar?

- Mamãe, a gente pode se mudar de cidade pra sempre?
- Mudar pra onde? Porque?
- É que meus amigos estão me deixando tão irritada, eu to tão brava, mas tão brava, que quero mudar de cidade pra sempre. A gente só vem em Brasília de vez em quando! A gente pode se mudar pra Paris???

Quem me dera, filha, quem me dera!

sexta-feira, 8 de maio de 2015

Quem vence?

Hoje na hora de dormir começou um conflito como tantos outros que tem acontecido por aqui. Eles surgem do nada, sem motivo nenhum e seguem num crescente um pouco fora de controle. As vezes temos tido dias difíceis, muita confusão e bate boca e isso é tão cansativo! 
Hoje por exemplo, estava tudo ótimo, eu já havia seguido a rotina de antes de dormir, tudo certo, apago a luz, beijo e dou boa noite. Sento ao lado como sempre e ela diz que está com sede. Falo que vou buscar água e ela diz que não quer água, quer outra coisa. Digo que não tem outra coisa e pergunto se quer água. Começa o choramingo, não quer água. Está com sede. Quer suco! Quer qualquer outra coisa. Respondo de novo que só tem água e como ela nega, me sento novamente. Ela grita que está com sede e quer água. Fico irritadíssima com essas pirraças e confusões inúteis e também brigo. Saio do quarto pra pegar água, brava e brigando. De repente ela solta:
- Será que eu posso ganhar pelo menos uma briga? Eu nunca ganho nenhuma briga, será que eu posso ganhar essa pelo menos?
Eu ri. Falei pra ela que não devia ter briga e nem vencedores. Dei água, sentei do lado dela em silencio e esperei dormir. Desse jeito vou ter que pedir ajuda aos universitários, não tá mole não. 

quinta-feira, 7 de maio de 2015

Amor aos animais, sem exceção...

Episódio 1
Estávamos viajando, hospedados em um hotel grande em Saint Maarten. Depois vou escrever posts sobre a viagem, esse hotel foi uma ótima escolha, adoramos. Ficamos numa área que parecia uma vila, apartamentos com varanda, muito agradável. 
Pois bem, logo no primeiro dia avistamos uma gatinha circulando na área. Vi que estava prenha e que era mansa. Fomos então ao supermercado e compramos ração. Todos os dias ficávamos esperando nossa visitante ansiosamente. E ela, muito esperta, sempre aparecia pra ganhar o pratinho com ração e água, além de muitos carinhos. Ronronava e mostrava a barriguinha de grávida. Claro que nos apaixonamos e Clara mais ainda. Passava o dia dizendo que estava sentindo falta da gatinha e ficava radiante quando ela chegava correndo ao nosso apartamento. 
Quando fomos embora foi uma tristeza. Deixei a ração com outra hóspede que ficou e ela disse que entregaria para um funcionário que estava cuidando dela. Ficamos preocupados e Clara passou o resto da viagem falando da nossa pequena Mia. 

Episódio 2
Eu tenho pavor de barata. Se souber que tem alguma viva no recinto não fico em paz, não durmo. E tenho uma grande capacidade para enxerga-las...
Pois bem, estávamos em Sint Martin, jantando calmamente em um restaurante que fica em uma Marina. Eis que vejo, de canto de olho, aquele ser nojento rastejante vindo em nossa direção. Normal, as mesas estavam do lado de fora, em um local antigo onde deve haver muitas delas. Mais que depressa me levantei e falei, já meio alterada: Baraaaata!
Qual a reação da criança?
- Ahhhh, que fofinha! Cute cute...
- O que? Não tem nada de fofinha, é nojenta, tem que matar!
- Nãããão! Não pode matar a baratinha.
Marido espantou a bicha pro outro lado, mas quem disse que eu fiquei tranquila? Passei o resto do tempo com as pernas pra cima, imaginando aquela bicha subindo em mim. De uma outra investida, ela tentou novamente vir "nos atacar" e eu convoquei o marido pra matar.
Pois Clara deu um piti e não deixou. 
- Não mata a baratinha, não pode matar os animais. 
- Realmente não pode os outros animais, mas barata tem que morrer!!!!!!
Acho lindo que ela defenda os animais, mas tudo tem limite, né gente! 

segunda-feira, 4 de maio de 2015

Voltando de férias

Acabamos de voltar de férias, o destino dessa vez foi o Caribe, mais especificamente St. Maarten/St. Martin. Logo mais venho contar como foram nossos dias no paraíso.

video

terça-feira, 14 de abril de 2015

Primeiras palavras lidas

A escola da Clara segue o método natural. As crianças vão se familiarizando com as letras e seus sons, conhecem algumas palavras como o próprio nome e os dos colegas, de objetos da sala, através de plaquinhas que ficam pregadas. Elas também escolhem as palavras que irão trabalhar no ano. Pelo que disseram a alfabetização acaba sendo uma coisa natural, que acontece com o tempo. Não tenho pressa nenhuma para que aconteça, quero mais é que brinquem e façam outras coisas, mas as crianças tem bastante curiosidade. Clara está sempre me perguntando palavras que começam com alguma letra ou com que letra começa tal palavra. Ela ainda não conhece bem todas as letras e os sons delas, ainda faz confusão com algumas, mas é normal e não me preocupo com isso. Somente respondo as questões dela e não provoco esse interesse. 
Então hoje veio um livro da escola pra ela fazer uma atividade. Geralmente são coisas simples, que ela pode optar por fazer na escola no dia seguinte pela manhã ou fazer com a gente. Ela quase sempre quer fazer com a gente. Hoje ela ficou olhando o livro e me mostrando as atividades que ela já tinha feito na escola. Ela parou em uma e começou a fazer os sons das letras, tentando ler as palavras. 
De repente ela foi fazendo os sons e conseguiu completar sua primeira palavrinha lida: Arroz! Ficamos super admirados por não ser uma palavra tão simples, ela fez o som de cada letra e conseguiu ler! Em seguida ela leu outra: Sopa!
Claro que ela ainda não sabe ler, e nem tenho pressa pra que isso aconteça, mas ela ficou super feliz por conseguir ler essas palavras, e nós muito orgulhosos, principalmente pela concentração e pelo esforço. 

segunda-feira, 13 de abril de 2015

Profissões aos 5

Uma das coisas que acho mais legais é quando as crianças começam a dizer o que querem ser quando crescerem. Acho o máximo a capacidade que elas tem de se imaginarem tendo 3 ou mais profissões diferentes, na maior facilidade. Minha sobrinha dizia que seria médica, bailarina e escritora.
A primeira profissão que a Clara escolheu foi mágica. Depois mudou para fazendeira. Semana passada ela chegou dizendo:
- Mamãe, quando eu crescer vou ser policial.
- O que??? Só se for polícial federal, porque ganha bem e é menos perigoso! (kkkkk)
- O que é policial federal?
Dadas as devidas explicações (na medida do possível), ela concorda e diz que então vai ser policial federal. hehehe
Na segunda ela foi ao dentista. Na saída pergunta:
- Mamãe, o que você prefere que eu seja: dentista ou policial federal?
- Ah, filha, o que você quiser ser e te fizer feliz vai me deixar feliz, você que escolhe.
- Tá bom, então eu vou ser os 2.
Hoje antes de dormir ela me conta que a amiga disse que vai ser Pop star (claro que me pergunta o que é isso). E que ela vai ser dentista, vai trabalhar aos sábados. E no domingo vai ser policial federal. Então completa: e se eu não tiver nenhum paciente e também não tiver ninguém em perigo, o que eu faço?
- Ué, vai pra casa descansar, ou então vai fazer um esporte pra ficar em forma.
- Isso, mamãe. Eu vou pra casa, troco de roupa e vou nadar.